HIPNOSE NO DF PROB. PSÍQUICO HIP. DEF. IND. SOBRE MIM CASOS CLÍNICOS
HIPNOSE NO DF
PROB. PSÍQUICO
HIP. DEF. IND.
SOBRE MIM
CASOS CLÍNICOS
VÍDEOS
ONSTELAÇÃO FAMIL. SITEMIC

Conceitos:

Hipnotismo é uma ciência, uma arte e uma técnica.

Ciência - Como ciência tem seus princípios, metodologia, ética e aplicabilidade.

Arte - Como arte se expressa por meio  da revelação do belo, do maravilhoso (assim como pintores ou músicos o fazem), contido no psiquismo de cada um.

Técnica - A técnica consiste na habilidade de induzir uma pessoa ao estado alterado da consciência, promovendo a cura de tensão, ansiedade, distúrbio mental, comportamental e disfunções diversas.

1- Estado natural de consciência, diferente de estado de vigília.

2- Dicionário Aurélio:  Estado mental semelhante ao sono, provocado artificialmente. O indivíduo continua capaz de obedecer às sugestões do hipnotizador.

3 – Estado de monoideísmo e de dupla consciência.

4 - Estado de profundo relaxamento no qual o consciente e o inconsciente do paciente ficam mais receptivos a sugestão.

5 - Hipnose é um estado alterado de consciência, ou é um estado de consciência no qual o conhecimento adquirido durante toda a vida e que, automaticamente, torna-se disponível.

7 -"Hipnose abrange qualquer procedimento que venha causar, por meio de sugestões, mudanças no estado físico e mental, podendo produzir alterações na percepção, nas sensações, no comportamento, nos sentimentos, nos pensamentos e na memória. (Milton Erickson)

 



8 -Hipnose é um estreitamento de consciência, geralmente provocado artificialmente, que se parece com o sono, porém dele se distingue fisiologicamente. (Sociedade Brasileira de Hipnose.)

9Hipnose nada mais é do que o conjunto de comandos que uma pessoa recebe durante toda a vida, ou seja, as sugestões dadas por seus representantes familiares, orientadores espirituais e educadores. Quando alguém lhe diz, "faça isso que é bom", e você aceita o comando, nada mais é do que uma sugestão hipnótica.

Muitos pacientes chegam ao consultório buscando algo sobrenatural, imaginando que o hipnotizador tenha poder sobre o hipnotizado e, inclusive, o de hipnotizá-lo, trata-se de um equivoco, pois quem hipnotiza não é o hipnotizador que, usando seu conhecimento científico, dará ao paciente as sugestões de relaxamento, que, uma vez aceitas pelo paciente, ele se auto-hipnotiza. Toda hipnose é uma auto-hipnose, envolve desejo, vontade, entrega e confiança naquele que o conduzirá a um gostoso relaxamento, em que  o paciente vai caminhando serenamente no seu ritmo, mergulhando dentro de si, para descobrir as belezas e a sabedoria de seu inconsciente, tendo a certeza e a segurança de que todo aquele sofrimento terá fim. O psicólogo hipnoterapeuta o ajudará a ressignificar as emoções e sentimentos negativos que ficaram guardados a sete chaves no baú do seu inconsciente. Por outro lado, se o paciente não desejar ou não for esclarecido antes do procedimento, poderá não aceitar as sugestões dadas, bloqueando todo o processo.

No transe hipnótico, a pessoa não fica inconsciente e, sim, mais perceptiva à aprendizagem e redecisão de seus problemas, não havendo risco de ir e não voltar, pois a pessoa numa regressão não vai a lugar nenhum, apenas acessa as lembranças vividas e guardadas na sua mente.

Reinaldo Macedo de Beirigo – Psicólogo

 

Hipnose em estado Alfa - Alfaterapia.

NO NÍVEL ALFA, o cérebro vai de 8 a 13 ciclos por segundo, atingindo o estágio de sonolência e consciência passiva, calma e tranquila. Neste nível, aumenta-se o campo da inteligência, memória, criatividade, percepção e pode-se fazer a regressão de memória com sucesso.

Nosso cérebro em estado de vigília está no nível BETA, indo de 21 a 60 ciclos por segundo.

NO NÍVEL TETA, vai de 4 a 7 ciclos por segundo, sendo o último nível mental que se pode atingir em estado de consciência.

NÍVEL DELTA vai de 0,05 a 3,5 ciclos por segundo. Esse estágio já é de sono profundo e a mente consciente não atua.

 

RESOLUÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA REFERENTE AO USO DA HIPNOSE NO TRABALHO DO PSICÓLOGO. RES. 13/2000

RESOLUÇÃO CFP N.º 013/00    www.pol.gov.br

 

INDICAÇÃO DA HIPNOSE:

A hipnose, como técnica auxiliar ao trabalho do psicólogo em psicoterapias, é bastante eficiente nos seguintes tratamentos:

Analgesias: anestesias, sangramentos, controle da dor em pacientes com doenças crônicas e ou terminais, pré e pós- operatórios (quaisquer), pré e pós-partos, câncer (na melhora da dor e da autoestima), rompimentos amorosos, lutos, gastrites. 

Vômitos: (gravídicos e outros), náuseas, pruridos (gravídicos e outros), sialorréia  (perda não intencional de saliva pela cavidade oral). 

Vícios: tabagismo, alcoolismo, drogadição, jogos, videogames e outros.

Depressão: tristeza, angústia, dor no peito, irritabilidade, sufoco, desânimo, falta de prazer nas atividades laborativas, alimentar e de descontração, falta de ânimo para sair da cama e de casa, pensamentos mórbidos (tirar a própria vida). 

Transtornos de ansiedade: estresse, (síndromes pós traumáticas,  sangramento, chupar balas ou comer doces em excesso e salivação), preparo para exames invasivos e durante sua realização, tique nervoso, ansiedade, gagueira, anorexia nervosa, bulimia, compulsão masturbatória, compulsão alimentar, compulsão em jogos e compras, obesidade sem causa fisiológica, teimosia, TOC (transtorno obsessivo compulsivo), transtorno do pânico, taquicardia (coração acelera pelo estado emocional).

Distúrbios de conduta: irritabilidade, desobediência, hábito de mentir (mitomania), furtar ou roubar (cleptomania), perversão (sadismo e masoquismo) e desvios relacionados. 

Disfunções sexuais: ejaculação precoce, disfunção erétil, vaginismo, frigidez e outras.

Afetividade: dificuldade em aceitar toques afetivos, desapego amoroso, egoísmo, paixão, dificuldade em aceitar rompimentos amorosos, falta de sorte nos relacionamentos amorosos, na perda de parentes e/ou amigos (luto).

Doenças crônicas: psoríase, doenças reumáticas, doenças autoimunes, doenças psicossomáticas. 

Distúrbio do sono: insônia, falar á noite (comportamento hipnagógico), sonambulismo, medo de escuridão, sono agitado, enurese noturna, dormir de boca aberta, ranger os dentes durante a noite (bruxismo) ou, durante o dia, morder a língua. 

Medos e fobias: medo de isolamento,  de dirigir, de falar em público, de hospitais e exames, de não dar conta de algo; fobia de animais e insetos, fobia de avião, de lugares fechados, de escuro, de mortos e outros.

Desbloqueio intelectual: motivação para estudar, concentração e atenção, memória, condicionamento para concursos e avaliação, autoestima, condicionamento do tripé da ansiedade na hora da prova (coração, respiração e relaxamento físico), melhora na conversação de línguas estrangeiras, melhora do rendimento escolar, combate do estresse do vestibulando, entrevista (evitar que dê branco).

 

Hábitos e manias: colocar o dedo no nariz, colocar a mão nos órgãos genitais (peotilomania), arrancar os cabelos (tricotilomania), roer as unhas, perturbações autônomas, tique de piscar o olho, fazer caretas, negativismo, usar chupetas, chupar o dedo, atitudes viciosas com a mão ou o braço debaixo do rosto.

Tell a Friend

 ENVIAR PARA UM AMIGO.

HIPNOSE NO DF | PROB. PSÍQUICO | HIP. DEF. IND. | SOBRE MIM | CASOS CLÍNICOS
Site Map